• Rafael Gloria

Ninguém vai lembrar

Atualizado: 4 de Fev de 2019


O amigo pode não acreditar, mas é a pura verdade: não há nada mais fiel nesse mundo que um cachorro. É claro que recordo como o Faísca entrou na minha vida, mas o que eu quero mesmo é contar como ele saiu. E, para isso, vou ter que pular alguns punhados de anos. Contar é isso também, não? Posso ir e voltar a hora que eu achar melhor. De acordo? Às vezes quando vou dormir tarde da noite, beirando às duas da manhã, quase que posso sentir o ronco do velho Faísca deitado ao pé da cama, me ajudando a vencer as noites sem sono. Não sou bom em descrições, mas é difícil esquecer um amigo como ele. De porte médio, o pelo raso e claro, Faísca virou Faísca, porque corria muito: ardia os olhos quando ele se metia a sumir atrás de um daqueles pássaros do campo. Mesmo depois de velho ele ainda podia subir um monte mais rápido que eu. Faísca. Faísca durou uns 15 anos, ou melhor, viveu, porque animal não dura, permanece, vive.  Você sabia que os cachorros podem ter as mesmas doenças que os homens têm? Na época, eu não tinha muita ideia que cachorro também podia ter câncer, ataque do coração; não, achava que cachorro tinha doença de cachorro. Quer ver Faísca era mais homem que muito homem por aí...Não sei, mas sabia que havia algo errado, quando ele começou a ficar quieto, apenas em cantos de casa, quase não me acompanhava mais em meus passeios diários pela propriedade. Faísca, velho Faísca, por onde anda. Visitamos um médico de animal que recentemente tinha se mudado e ele diagnosticou câncer, mas como podia ser câncer se essa praga só dava em ser humano. E ainda era um câncer que já tinha espalhado, pelas patas, pelo fígado...Não haveria muitos dias, mas ainda haveria muita dor, me contou. Enquanto Faísca me olhava quieto e eu olhava para Faísca, já em casa, eu tive a sensação de que só eu iria lembrar do Faísca e ninguém mais. Mal se lembram de familiar depois que morre, imagina de um cachorro. Ninguém vai lembrar. Resolvi, então, aliviar o velho Faísca que já chorava de dor até dormir. Escuta bem, porque nunca mais vou contar isso: peguei no colo e parece que ele já sabia, de certa forma, pois me olhava com os olhos bem maiores que o de costume, olhos de quando era filhote e voava pelo pátio. Caminhamos até o horizonte da minha propriedade que dava em uma grama rasa que ele costumava comer quando jovem e dormir quando mais velho. Depositei-o ali e puxei o revólver que sempre carregava comigo. Naquela época, não haviam os tais remédios para aliviar a dor, o que mais eu poderia fazer, o que mais. Nunca mais esqueci aqueles olhos antes de atirar entre eles, antes de não mais emitirem nada. Não eram olhos de súplica, eram de afeto, carinho. Olhos que eu nunca esqueci e que agora, espero, você também não. 


0 visualização