• Rafael Gloria

Bergamotas para sempre


Lembro do meu vô sentado no degrau em frente ao portão de casa. Parado, às vezes passava horas lá, sozinho, pensando, analisando o movimento da rua, veja só, uma rua sem saída. Sempre foi simpático ele, sempre foi de brincar com os outros chamando de apelidos diferentes, mas talvez o que eu mais me lembre do meu vô seja o modo como ele cortava a bergamota. Deslizava a faca sob a pele laranja bronzeada, quase crocante da fruta, cortando-a gentilmente , praticamente moldando, tal como um artesanato. Então, metia os dedos para tirar as sementes, que ficavam por ali, na rua mesmo, para algum pássaro catar. Depois desse pequeno processo, pegava a metade da bergamota e a desfrutava também devagar, lentamente, com legítimo prazer. Não importava o tempo, o clima, lá estava ele logo depois de almoçar. Sempre.

29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Desde os meus 31 anos venho publicando nas minhas redes sociais uma lista de pensamentos avulsos. Eis a de 34 anos. 1 - essa é a quarta vez que faço isso 2 - continuo gostando de envelhecer 3 - aprend

Recebi uma mensagem que dizia “Posso te ligar?”. Assim, seco, direto. Não visualizei, mas fiquei com ela trancada na garganta o dia todo. O que me preocupa são as possibilidades. É a indagação, o sent

Eu te encontrei por volta da uma da tarde, você estava cansada, sentada perto do colégio onde ia voltar a estudar. Você me esperou achando que a gente poderia conversar mais profundamente, por um temp