• Rafael Gloria

Bergamotas para sempre


Lembro do meu vô sentado no degrau em frente ao portão de casa. Parado, às vezes passava horas lá, sozinho, pensando, analisando o movimento da rua, veja só, uma rua sem saída. Sempre foi simpático ele, sempre foi de brincar com os outros chamando de apelidos diferentes, mas talvez o que eu mais me lembre do meu vô seja o modo como ele cortava a bergamota. Deslizava a faca sob a pele laranja bronzeada, quase crocante da fruta, cortando-a gentilmente , praticamente moldando, tal como um artesanato. Então, metia os dedos para tirar as sementes, que ficavam por ali, na rua mesmo, para algum pássaro catar. Depois desse pequeno processo, pegava a metade da bergamota e a desfrutava também devagar, lentamente, com legítimo prazer. Não importava o tempo, o clima, lá estava ele logo depois de almoçar. Sempre.

28 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Coluna - Objetivas Ficcionais

Olha o que nós fizemos O barulho alto do ventilador faz eu não te escutar. Essa é a principal função dele no momento - mais do que evitar o calor. A principal função do meu ventilador é eu não ouvir v

Linha reta finita

Tenho alguns problemas com o tempo. Não sei mais se ele é circular ou simplesmente dá volta nas esquinas, formando um quadrilátero. Mesmo que o tempo não tenha formato, ele não precisa necessariamente

O outro lado da calçada

Toda vez que vou atravessar a rua eu espero o sinal abrir. Os carros estão vindo rapidamente na minha direção. E eu corro igual. Será que um dia algum deles vai me atingir? Eu não estou preocupado, às