• Rafael Gloria

Aqueles braços

Joana tinha um rosto atraente, dançava como se o mundo fosse acabar no próximo movimento e tinha um papo interessante, mas havia uma coisa que incomodava aquele conjunto quase tão bem acabado.


Ela tinha os braços gordos.


Flácidos e brancos, redondos, formando uma pequena barriguinha. Só notei isso depois de já estar envolvido seriamente com ela. A época em que nos conhecemos ajudou a me ocultar esse fato: foi no inverno e é natural que as roupas sejam compridas, largas, escondendo a gordura.


Não quero que você leitor, leitora nutra alguma espécie de raiva contra mim, ou que me acha preconceituoso. Não odeio gordos, não tenho absolutamente nada contra vocês. Gosto sim é da harmonia. Há várias mulheres gordas bonitas, mas elas não têm os braços finos.


Entende?


Eu via um erro na composição, no quadro geral. Algo que saiu mal planejado em sua formação genética. Quando conheci os pais de Joana pude reparar que não havia nenhum problema em sua mãe, a não ser na personalidade extravagante, quase vulgar. Mas tratando de seu físico, era quase que perfeito. O problema, o problema com certeza era seu pai. O que me levou a tese de que se o pai tem braços gordos, a filha, provavelmente, herdará os malditos.


Passei noites sem dormir ao lado de Joana, não tendo coragem suficiente para falar sobre esse “problema”. No começo, tentei levar a situação como uma besteira, que seria uma cisma. Depois passei a tentar me enganar dizendo que na verdade eu estava era com medo de me relacionar. Que o problema era eu e não ela. Acabei acreditando nisso um tempo, mas logo depois caiu a ficha de que se não fosse os braços gordos de Joana, eu, provavelmente, estaria completamente feliz.


Então resolvi abandonar as coisas e simplesmente sumir. Encurralado pela fraqueza de não lhe dizer a verdade. Não conseguia pensar em uma melhor resolução para isso. Acabei deixando uma espécie de bilhete, uma nota na realidade, em cima da mesa. Acho que escrevi algo como “Desculpa, mas não posso mais ficar com você. O problema não é você, mas parte de você”. Acho que escrevi isso mais ou menos.


“Parte de você” foi a melhor escolha de palavras. Depois disso comecei a passar mais tempo em casa, troquei de apartamento, porque queria me afastar dela. Para não machucá-la mais e para fugir daquela sensação de abafamento quando pensava nela e nos seus braços. Foi aí que comecei a reparar nos meus também.


Percebi que cada vez mais observava os espelhos em casa, me olhando, olhando os meus braços. Eles pareciam levemente maiores. Levemente maiores a cada vez que eu olhava.

23 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Coluna - Objetivas Ficcionais

Olha o que nós fizemos O barulho alto do ventilador faz eu não te escutar. Essa é a principal função dele no momento - mais do que evitar o calor. A principal função do meu ventilador é eu não ouvir v

Ponteiros ao contrário

Lembra? Quebramos o relógio e depois juntamos os pedaços. Tentamos de novo e de novo Nada deu certo. Por que será? Não era nosso objetivo fazer o mundo girar. O tempo passa rápido, ininterrupto. Agora

Meia noite volta

Meia noite e meia quando Júlio levantou, pôs as calças e acendeu a luzinha fraca, que agora ficava perambulando majestosa, se alargando por todo o quarto. Silêncio voava sob o apartamento e ele sem so